Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diasdechocolate

diasdechocolate

Os enfermeiros, as greves, a exaustão....

Hoje é dia de greve nacional dos Enfermeiros. Uma greve convocada por tantos motivos e que também a mim diz respeito. Sim, sou enfermeira, tenho mais enfermeiros na família e fico muito desiludida a ver a situação actual da minha (nossa) profissão. Para a maioria das pessoas, os enfermeiros são apenas pessoas que estão nos hospitais a cumprir ordens dos médicos. Para os que necessitam de cuidados de saúde somos muito mais. Não somos empregados de ninguém, trabalhamos numa equipa multidisciplinar de forma a prestar cuidados de saúde de qualidade. Não é só a injecção, não é só o banho, é muito mais do que isso. Mas, pelos vistos, estes cuidados só são necessários no estrangeiro para onde vão a maioria dos que se formam por cá. Os números são assustadores: saem, todos os anos 2500 enfermeiros para o estrangeiro, outros tantos se ausentam por reforma, atestados ou licenças e com tantas saídas, estima-se que faltem 25000 enfermeiros em Portugal. Vinte e cinco mil! O ministro considera um esforço heróico abrir concursos para mil. Para ele, serão certamente suficientes, já que terá um bom seguro de saúde e, se precisar de cuidados, desloca-se a qualquer um dos hospitais privados (que batem palmas à degradação do SNS). O problema coloca-se para aqueles que não têm condições de recorrer à saúde privada mas que pagam os impostos que, supostamente, lhes dariam direito a usufruir do sistema de saúde público. Fazer análises, exames de dignóstico, cumprir os tratamentos a doenças oncológicas sem interrupções e sem a cobrança das taxas moderadoras absurdas que afastam a maioria dos serviços de saúde. Custa-me ainda mais ver esta situação porque vejo a sobrecarga (física e emocional) daqueles que trabalham nos hospitais e centros de saúde para suprir as necessidades e vejo-me sem trabalho, sem puder fazer muito para mudar isto. Estou em casa há um ano, entre formações e outros cursos que possam trazer outras perspectivas, a esquecer o que aprendi e a perder oportunidades de aprender mais. As instituições que empregam pedem enfermeiros com experiência de 1, 2 , 5 anos só esquecem a necessidade de ensinar os que agora são novos e inexperientes (que serão os experientes daqui a uns aninhos). Espero, espero sinceramente, que quem sofre com esta greve perceba a importância de a fazer e a importância de haver elevada adesão para que os cuidados de saúde melhorem e se aproximem daquilo que impõe a democracia. Percebo que não haja muita vontade de investir nesta área muito dinheiro só que, sempre ouvi dizer, a saúde é o mais importante de tudo!