Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

diasdechocolate

diasdechocolate

Trabalho precisa-se!

Procurar trabalho em Portugal é algo semelhante a um acto terrorista, psicologicamente falando. Pelo menos para mim é assim! Procuro em todos os sites de anúncios que conheço, várias vezes ao dia e chego a saber de cor os detalhes de alguns anúncios que penso serem novos. Currículos entregues em mão, dezenas de telefonemas feitos, outros tantos e-mails enviados em seguimento do já tão conhecido conselho: "não estamos a precisar de ninguém mas envie o seu currículo por e-mail". É uma estafa... Embora saiba que a maioria das pessoas que me atende não tem qualquer responsabilidade nos recrutamentos, só tenho vontade de as insultar por já ter feito trezentos telefonemas anteriormente e ouvir sempre a mesma resposta. E pior que isto, as perspectivas de futuro não são animadoras. Nada mesmo! Acho que o dia que conseguir um trabalho será, seguramente, um dos mais felizes que irei viver! Resta-me saber se esse dia ainda demora muito a chegar. Desejo-o loucamente ansiosamente!

A "polémica" foto de Jéssica Athayde

Jéssica Athayde desfilou na Moda Lisboa a convite da Cia Marítima. Uma excelente escolha para desfilar roupa de praia pois, a meu ver, é gira que se farta e, por aquilo que vejo nas redes sociais, gosta de ter um pézinho na areia. Como sempre, há quem goste, há quem não goste mas, pior que isto, só mesmo algumas mentes desprovidas de inteligência que julgam que todas as mulheres (principalmente as mais "conhecidas") têm de ser esqueléticas. A causa de toda esta "mesquinhice" foi uma foto que deixou algumas pessoas desagradadas com o facto de verem uma mulher bonita, com curvas e, acima de tudo, com auto-estima para exibir assim o seu corpo (e digo isto porque não é modelo e poderia não se sentir à vontade para o fazer)!

A toda o veneno que destilou por causa desta foto, Jéssica deu uma resposta fantástica e que deve servir de inspiração para todas as mulheres. Ninguém deve ser escravo do seu corpo. Pode-se optar por um estilo de vida saudável, comer bem, fazer exercício, pode-se treinar para definir os abdominais ou tonificar as pernas mas com respeito por si e por outras mulheres que podem (ou não) ter os mesmos objectivos e que merecem respeito pelas suas opções de vida. Esta coisa de julgar (principalmente, as mulheres) pela imagem estereotipada que temos de beleza tem mesmo de acabar. E tem de começar por nós, mulheres, que devemos ter consciência que há celulite em (quase) todos os rabos e que não são só as nossas pernas que custam a tonificar. Não devemos aceitar isto com os olhos em lágrimas e uma tablete de chocolate nas mãos porque é preciso trabalhar o corpo conforme os objectivos de cada uma e com muito amor próprio. Só assim se mudam mentalidades!

 

E a mais sexy do mundo é...

Penélope Cruz, pelo menos é o que avança a revista "Esquire". É verdade que está bem gira na capa da revista mas, para mim, não é a mais sexy do mundo (e isto não é inveja, de todo). Apesar de não ser fácil definir os critérios de "mais sexy do mundo" (se bem que não me parece que uma revista masculina se preocupe muito com isso), a minha escolha seria a Beyoncé. A mulher é extraordinária (em todos os sentidos) mas aqui a Penélope também não está nada mal!

 

Fim de semana fresquito

Dizem que vem aí frio a sério e que o fim de semana virá regado com chuva. Para ser sincera, já estou com saudades de um fim de semana típico de Outono. A chuva dispenso mas o frio até que sabe bem (dentro de certos limites claro). Mas o que é que pede um fim de semana de temperaturas baixinhas? Bem, para além da eventual necessidade de uma mantita acho que um belo bolo é das melhores companhias para este género de tardes! Só pretendo fazê-lo amanhã mas já ando aqui louca à procura de uma receita das boas mas que não pertença ao grupo das bombas calóricas. Asneiras já fiz que chegue durante a semana, para amanhã pretendo apenas um bolinho bom para acompanhar um cházinho. Se tiverem sugestões interessantes, estou receptiva! Prometo que se encontrar algo diferente e se ficar alguma coisa de jeito partilho!

Sentimento de culpa

Hoje fiz pão. À mão, que cá em casa não há máquinas para isso. Com as farinhas já prontas, o processo é estupidamente simples, só se junta água, mexe-se e vai para o forno. Inspirada como estava ainda me lembrei de misturar aveia com centeio para ver no que dava e ficou...divinal! Precisa de umas alterações mas resolvo isso nas próximas "fornadas"!

Enquanto o preparava, fui ditando ordens para mim mesma para me controlar só que, tal como previa, quando tirei  os pães do forno, fui logo lá meter as mãos e fui incapaz de dizer não a uma "fatiazinha". Afinal de contas, foi feito por mim e tinha mesmo de o provar antes que arrefecesse! O problema é que entusiasmei-me demasiado e comi bem mais do que uma fatia e agora estou com aquele sentimento de culpa que costumo ter quando ataco a secção "doces e chocolates" cá de casa na semana mais diabólica que as mulheres vivem! Por mais que me tente conter na hora de comer (principalmente pão) é quase impossível resistir. Não consigo sentir aquele cheirinho a pão quente e ficar quieta como se nada se passasse. Corro até ao frigorífico à procura de alguma coisa para lá pôr. Vá que peguei no queijo fresco (se fosse manteiga a desgraça seria maior) e não me lembrei do frasquito da geleia ou do mel que também lá estavam. Mas agora que penso melhor, podem sempre ficar para o pequeno-almoço de amanhã. Ainda há pão. Pouquito mas há!

 

Portugal (no seu pior)

Habitualmente, política é assunto que não falo muito por aqui. Estou informada da maioria dos assuntos só que a discussão não vai além do almoço ou jantar porque me irritam demasiado. Nos últimos tempos então os motivos têm sido para lá de muitos. Tudo começou a descambar com o BES, depois o Citius, seguiu-se este jogo idiota de colocação-não colocação de professores e a mais recente novidade é o aumento salarial de mil euros (sim, mil euros) para os juizes. Parece anedota, não parece? Pois parece, o problema é que não é! No caso do Citius e da colocação de professores deu para perceber que era era tudo bem sério quando os ministros pediram desculpa no Parlamento. (Não me venham com a treta que é humano pedir desculpa porque, a este nível, revela simplesmente incompetência.) No caso da colocação dos professores é isto todos os anos, não entendo como ainda ninguém abriu os olhos e percebeu que esta colocação não pode ser realizada em Setembro. Em Setembro têm de começar as aulas. E não deve ser uma fórmula a causar o caos. É necessário revê-la várias vezes, por várias pessoas para minimizar estes problemas. Porque, no fim de contas, são vidas que estão em jogo: crianças que deveriam ter aulas e não têm, professores que deveriam estar a leccionar e não estão e pais que deveriam estar a trabalhar (os que têm trabalho) e passam o dia em manifestações para que os filhos tenham todos os professores disponíveis. Já lá vão três semanas do início do ano lectivo e parece que esta questão está ainda longe de ser resolvida. O ministro está tranquilo, o primeiro-ministro demonstra preocupação com um sorriso na cara e garante que não o demite e o presidente da república (que deveria ter mais juízo que o governo todo junto) nada diz sobre isto. Na realidade, também não diz nada sobre os assuntos mais importantes, já nos devíamos ter habituado a esta (falta de) postura da figura política mais "importante" do país. 

Na Justiça, o que mais me incomoda na reforma é o fecho de tantos tribunais, principalmente em zonas do interior do país, que sabemos serem zonas muito envelhecidas e desertificadas, o que nos permite concluir facilmente que estas pessoas não terão disponibilidade de tempo, saúde e dinheiro para recorrer à justiça. Outra coisa que me irrita particularmente são os gastos de todas estas alterações. Táxi para as deslocações dos funcionários judiciais, aluguer de contentores enquanto decorrem obras em vários tribunais, transporte dos processos em papel (a quantos faltarão páginas?) e em tudo isto se gastam milhares (milhões) de euros que, provavelmente, se poupariam se a reforma se fizesse aos poucos. Não sou muito a favor de mudanças repentinas, principalmente estas que são das grandes! Ainda na Justiça, a mais recente novidade é este aumento salarial de mil euros para os juízes. Para o salário mínimo foi uma guerra aumentá-lo em vinte euros, para os juízes (que ganham uns quatro ou cinco salários mínimos) acrescentam-se mais mil. Assim, sem qualquer negociação. Fico incrédula com esta dualidade de critérios. Não é pelo aumento do salário, é pelo facto de não ser para todos e por o valor do aumento ser muito superior à média dos vencimentos de quem trabalha e tem todo o direito de se sentir injustiçado com esta notícia!

Tudo isto parece uma anedota: a elevada taxa de desemprego, as condições de trabalho degradadas e a destruição da saúde, justiça e escola públicas que não sei onde nos podem levar! Fico indignada com estas notícias porque gostava mesmo de viver num país mais justo, mais equilibrado, mais digno. Sei que é impossível resolver os problemas de todas as pessoas mas tenho a certeza que é possível fazer muito mais do que está a ser feito agora!

Trocas de planos (que me deixam furiosa)

Eu sei (há muitos anos) que tenho mau feitio...hmm...pronto, é bem capaz de ser pior que mau feitio, tenho péssimo feitio. Sou um bocadinho inflexível, sou egoísta (um nadinha só) e detesto que disponham do meu tempo sem o meu conhecimento e aprovação. Acontece que naqueles dias chatinhos comó'raio (tipo o de hoje), chego ao fim da tarde e o que me apetece é libertar a tensão acumulada e gastar umas calorias. A correr, a saltar...não interessa a actividade, o importante é mesmo limpar e aliviar a mente. Só que, hoje (como sempre acontece nestes dias), toca o meu telemóvel a avisar-me que afinal surgiu algo para fazer. Correr terá mesmo de ficar para amanhã! (Arranjem-me uns pratinhos para ver se me passa esta raiva, por favor!!!)

Tornar o dia feliz*

Quando as coisas não correm bem, é urgente levantar a cabeça, pensar positivo (e acreditar muito muito muito) e fazer coisas que tragam felicidade. Pelo menos comigo é assim. Preciso de inspiração e nada melhor que usar a minha refeição preferida para isso. Tornar o pequeno-almoço mais bonito (mas saudável) é meio caminho andado para mudar o dia. Por isso, hoje comecei com frutinha, panqueca de aveia e um bom e cheiroso café para abrir bem os olhos. Agora sim, começou o dia!

 * Ou o mais feliz possível!

Pág. 2/2