Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

diasdechocolate

diasdechocolate

Pergunta para reflectir: O que nos motiva a mudar?

A motivação é meio caminho andado para agir. Depois, a pessoa trepa árvores, corre maratonas, nada as milhas que forem necessárias para conseguir. Eu funciono mais ou menos assim. O meu combustível é a motivação e saber que tenho mil coisas para fazer. Gosto da adrenalina de, ao deitar, traçar o trajeto para o dia seguinte e de gerir o imprevisto. Gosto de materializar muitas coisas, de chegar a casa com coisas para contar e de saber que a criatividade me faz crescer para algum lado. Porque quanto mais motivada a fazer eu estiver, mais coisas vou fazer e mais coisas vou arranjar para fazer. Coisas que me motivem, claro está! Há bocadinho, assistia ao programa Faz Sentido, transmitido na Sic Mulher e, para além da Ana Rita Clara ser a verdadeira inspiração, gosto de ouvir pessoas que conseguem ver a realidade de outros prismas e o programa de hoje foi rico em testemunhos desses. Na conversa que teve com o Coaching (de quem não sei o nome), falavam da necessidade e do incontornável estado de mudança na vida. Ouvi com atenção e, pelo momento que vivo, tentei estabelecer um paralelo para a minha vida para encontrar respostas. Segundo o Coaching, somos movidos por valores, isto é, quando nos falta algo, essa ausência é transformada em tristeza, insatisfação, motivação até se encontrar o que falta. E, pelo menos comigo, o declínio da motivação é o princípio de uma bola de neve que leva à frustração, tristeza, apatia e...mais desmotivação. Com o tempo e as tretas que vão acontecendo, só contribuem para aumentar a bola de neve e turvar o raciocínio. A pessoa até sorri mas por dentro, está na merda! A chave, segundo o tal Coaching, passa por encontrar ferramentas para agilizar a dita mudança sem dar dois tiros nos pés antes. Claro que tudo isto é muito lindo quando falamos de forma geral. Difícil é mesmo aplicar a uma situação em concreto, ainda para mais quando é a nossa vida e as consequências são para nós próprios. Podemos assumir que não estamos bem (eu assumo), que falta alguma coisa (eu assumo), até sabermos o que é preciso mudar (eu sei) mas não termos estrutura nem condições para iniciar essa mudança (eu também assumo, infelizmente). Mesmo prevendo uma mudança para os próximos tempos, não era a mudança que pretendia para mim e há dias em que não sei se terei coragem para o fazer. Sei que quero mudar, que estou demasiado confortável em alguns aspetos (o que é péssimo para evoluir), só tenho dúvidas sobre a direção. Receio estar a distanciar-me do meu objetivo de vida, do meu verdadeiro caminho, daquilo em que posso ser realmente útil e sentir-me feliz mas a vida deve ser mesmo assim. Andar, errar, corrigir os erros e continuar a andar até voltar a errar. E, se houver alguma inteligência, aprende-se para não errar no mesmo depois! E, como costuma dizer o povo (detesto esta expressão), "muda, que Deus ajuda!" Ámen!!!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.